Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Posted by on in Doenças de A-Z | 0 comments

Pressão alta, e seus sintomas.

Pressão alta, e seus sintomas.

Gostou deste artigo? Compartilhe

O sangue circula pelo corpo humano graças ao efeito impulsor do sangue que atua como se fosse uma bomba. O coração trabalha em dois tempos, quando se dilata (diástole) enche-se de sangue, e quando se contrai (sístole) expulsa o sangue. Graças a estes movimentos de contração e dilatação o sangue circula permanentemente pelos vasos sanguíneos (artérias e veias).

Para um adulto saudável a pressão arterial considera-se normal pressao altaabaixo de 130 mmHg para pressão máxima e abaixo de 85 mmHg para mínima. Pressões de 140X90mmHg ou superiores são consideradas elevadas e constituem a hipertensão arterial, porém importante salientar que uma única medida da pressão arterial não caracteriza quadro hipertensivo.

Nas últimas décadas, o número de hipertensos tem aumentado progressivamente, devido a fatores como maior expectativa de vida, maiores incidência de obesidade, sedentarismo e de maus hábitos alimentares. A elevada prevalência associada ao fato de que apenas metade dos pacientes hipertensos consegue manter sua pressão arterial devidamente controlada. Isso também se deve pelo fato dela ser uma doença assintomática, isso é um motivo de nos levarmos a cuidar mais de nós, e fazermos visitar regulares ao cardiologista.

 

Sintomas

A hipertensão é uma doença silenciosa, não apresenta sintomas específicos na maioria dos casos. O diagnóstico deve ser feito o mais precocemente possível. Para que você fique alerta na prevenção dessa doença, citamos alguns sintomas que podem sinalizar uma crise hipertensiva:

  • Cefaleia;
  • Mal-estar;
  • Tonturas;
  • Barramento visual;
  • Dor torácica;
  • Palpitações;
  • Pressão peitoral;
  • Dispneia

Alguns fatores de risco estão relacionados com o desenvolvimento da hipertensão arterial, tais como: excesso de peso, consumo nocivo do álcool, fumo, consumo excessivo de sal, estresse e sedentarismo, mas não podemos nos esquecer do histórico familiar, que predispõe o indivíduo ao desenvolvimento da doença.

Gostou deste artigo? Compartilhe

Post a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *