Pages Menu
TwitterRssFacebook
Categories Menu

Posted by on in Doenças de A-Z | 0 comments

Linfoma não-hodgkin, e seus sintomas

Linfoma não-hodgkin, e seus sintomas

Gostou deste artigo? Compartilhe

Linfomas são neoplasias (é o nome dado ao crescimento anormal, acelerado e descontrolado de um tecido ou de uma célula gerando o que se chama de tumor. Esse tumor tanto pode ser maligno quanto pode ser benigno.) malignas que se originam nos linfonodos (Um linfonodo é parte do sistema linfático do corpo. No sistema linfático uma rede de vasos linfáticos carrega fluido claro chamado linfa. Os vasos linfáticos levam aos linfonodos, os quais são pequenos Linfoma não-hodgkin, e seus sintomasórgãos redondos que capturam células cancerosas, bactérias, ou outras substâncias danosas que podem estar na linfa.), muito importantes no combate às infecções. Os linfomas não-Hodgkin incluem todos os tipos de linfomas existentes, menos o de linfoma de Hodgkin, que tem características diferentes em suas células malignas.

As células malignas dos linfomas não-Hodgkin continuam tendo características das suas células originais, enquanto no linfoma de Hodgkin elas se transformam completamente.

Existem mais de 30 subtipos de linfomas específicos, mas para simplificar a classificação muitos oncologistas gostam de classificar segundo a velocidade de crescimento: muito lentamente (baixo grau) ou muito rapidamente (alto grau ou agressivo).

Graças ao conhecimento da maneira pela qual os tipos específicos de linfoma progridem, pode-se determinar a possibilidade de progressão lenta ou rápida e os tipos de terapia necessários a esses subtipos.

A classificação dos tipos específicos de linfoma leva em consideração o padrão da biópsia do linfonodo feita ao microscópio e o tipo celular predominante dos linfócitos (T ou B). E nos últimos 25 anos dobraram o numero de pessoas, principalmente acima de 60 anos, os motivos ainda não se sabem.

Fatores de risco

  • Sistema imune comprometido: pessoas com deficiência de imunidade, em consequência de doenças genéticas hereditárias, uso de drogas imunossupressoras e infecção pelo HIV, têm maior risco de desenvolver linfomas. Pacientes portadores dos vírus EpsteinBarr, HTLV1, e da bactéria Helicobacter pylori (que causa úlceras gástricas), têm risco aumentado para alguns tipos de linfoma
  • Exposição Química: os Linfomas Não-Hodgkin estão também ligados à exposição a certos agentes químicos, incluindo pesticidas, solventes e fertilizantes, herbicidas, inseticidas, contaminação da água por nitrato, substância encontrada em fertilizantes, é um exemplo de exposição que parece aumentar os riscos para doença
  • Exposição a altas doses de radiação. Tomam medicamentos devido ao transplante de órgãos.

Sintomas de Linfoma não-Hodgkin

Muitos pacientes com linfoma não-Hodgkin costumam notar linfonodos aumentados no pescoço, axilas ou virilha. Raramente, o linfoma não-Hodgkin pode se iniciar em outro local, como ossos, pulmões ou pele. Nesses casos, os pacientes costumam apresentar sintomas referentes ao envolvimento local, como dor óssea, tosse, dor no peito, erupções ou nódulos na pele.

Os pacientes também podem apresentar sintomas como febre, calafrios, suor exagerado (principalmente à noite), fadiga, perda de apetite ou perda de peso e durante o exame médico, pode ser percebido o baço aumentado.

Principais sintomas do linfoma não-Hodgkin

  • Aumento dos linfonodos do pescoço, axilas e/ou virilha.
  • Sudorese noturna excessiva
  • Febre
  • Prurido (coceira na pele)
  • Perda de peso.

Gostou deste artigo? Compartilhe

Post a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *